Blog

  • Nível de qualidade requerido em luvas anticorte


    Nível de qualidade requerido em luvas anticorte

    A função das luvas anticorte é proteger as mãos ao trabalhar com qualquer elemento afiado. No mercado, é possível encontrar uma grande variedade de opções, portanto, é necessário escolher aquela que atenda às suas necessidades. Assim como cada máquina ou ferramenta tem uma potência diferente, o nível de proteção das luvas varia para se adequar a cada tipo de atividade.

    Como escolher a melhor luva anticorte?

    A classificação depende de 2 padrões principais: o americano ANSI/SEA e o europeu EN 388, que foram homologados em suas últimas atualizações para facilitar a escolha da luva ideal:

    • Nível de proteção alta. São ideais para indústrias de construção, mineração, resgate, marinha, siderurgia e qualquer atividade que apresente risco de cortes ou lacerações. O nível é A5 ou superior (padrão americano) ou E e F (padrão europeu). Geralmente são feitas de fibras de Kevlar ou Dyneema combinadas com látex ou nitrilo; nos níveis mais altos, podem ser utilizados fios de aço.

    Nível de proteção média. Essas são recomendadas para trabalhos que exigem precisão e destreza, mas também necessitam de proteção contra cortes. Alguns exemplos incluem atividades com material elétrico, reciclagem, desmontagem e manutenção doméstica. No padrão americano, o nível varia entre A3 e A5, e no europeu, de C a E. Podem ser revestidas com poliuretano para melhorar a aderência.

    Nível de proteção baixa. No padrão americano, elas podem ser identificadas pelas letras A1 a A3, e no europeu, de A a C. São usadas para atividades com risco mínimo de corte (por serem pequenos ou superficiais) e grande liberdade de movimento. Recomendadas para vidraçarias, indústria de alimentos, trabalhos com chapas de metal, entre outros.

    Dicas e Recomendações ao Comprar

    Agora que você conhece os níveis de proteção e quais atividades se enquadram em cada um deles, forneceremos algumas recomendações para comprar o melhor equipamento de proteção pessoal:

    • Proteção adequada. Maior proteção nem sempre significa mais segurança. Em alguns casos, luvas de nível mais alto podem reduzir a sensibilidade ao realizar atividades de precisão, o que pode levar a outros tipos de acidentes.

    • Condições ambientais. O clima, a temperatura e o ambiente podem influenciar o tipo de equipamento a ser adquirido. Não é a mesma coisa trabalhar em uma câmara frigorífica ou na indústria metalúrgica. O material do equipamento também desempenha um papel importante na escolha.

    • Certificações. Verifique se o produto atende às regulamentações de fabricação. É melhor se estiverem em conformidade com algum padrão internacional.

    • Identifique os padrões. Não adianta as luvas serem certificadas se você não conhece a nomenclatura usada para identificá-las. Aprenda a distinguir essas nomenclaturas para facilitar o processo de escolha.

    • Siga as instruções do fabricante. Para um uso mais eficaz, é vital seguir todas as recomendações do produto.

    • Busque orientação. Procure um profissional na área que possa esclarecer todas as suas dúvidas. Dessa forma, você saberá que está adquirindo o equipamento adequado sem comprometer sua segurança. Não tome decisões precipitadas. Analise quais opções são mais adequadas para você.

    Os cortes representam um pouco mais de um terço dos acidentes que podem ocorrer nas mãos, no entanto, também são os mais fáceis de prevenir. A segurança no trabalho é um aspecto que não deve ser negligenciado. Utilize o equipamento de proteção pessoal adequado para um melhor desempenho em suas atividades e reduza os custos com acidentes e lesões.

    COMPARTIR